Meio humorístico debate uso do politicamente incorreto

Foi-se o tempo em que uma piada ou um esquete em um programa de humor só gerava uma sonora gargalhada ou um sorriso amarelo. Em tempos de Twitter, quando um humorista lança mão de um caso considerado de mau gosto, mensagens iradas pipocam nas redes sociais.

Um dos principais alvos tem sido Danilo Gentili, do “CQC” (Band). “Acho que muito tem se falado sobre o limite do humor, mas esquecem de comentar o limite do mau humor. Afinal, o que gera toda essa discussão chata são justamente as pessoas que, em vez de rirem, ofendem-se com as piadas’‘, diz ele.

Para o apresentador do “Pânico na TV” (Rede TV!), Emílio Surita, a mídia tem dado muita atenção ao que os humoristas dizem. “As piadas não devem ser levadas a sério, mesmo porque elas não são notícias’, afirma. Ele ainda diz que o humor não pode ter limite.

Essa mesma lição foi ensinada por Cláudio Paiva, roteirista do “TV Pirata”, um dos principais programas humorísticos do Brasil nos anos 1980, ao elenco da atração, segundo a atriz Louise Cardoso. “Ele dizia que, no humor, vale tudo. Caso contrário, seria impossível satirizar qualquer situação”, conta ela.

Louise acha que, hoje, a internet facilita as críticas. Para Marcelo Madureira, do “Casseta & Planeta”, o universo de pessoas que têm acesso às mídias sociais é pequeno, e o das que sabem usar e usam essas mídias é ainda menor. “A imprensa repercute muito isso e cria certa histeria”, acredita. Para ele, o humorista pode fazer piada com caolho, com manco, com velho… desde que seja boa.

Marcos Mion, do “Legendários” (Record), afirma que tem evitado esse caminho. “Uma piada que lhe causa culpa por achar graça não é hoje o que eu considero uma boa piada. Nada contra quem faz, mas não é o que faz a minha cabeça.”

Fonte.

Anúncios

Sobre Portal CQC OFICIAL

Seu portal de notícias sobre o CQC!

Publicado em 12/05/2011, em CQC. Adicione o link aos favoritos. 4 Comentários.

  1. Eu acho que no Brasil eles tem tanto medo das coisas que fazem, que o que era pra ser meras piadas se transformam em grandes polêmicas. Eu acho que deveriam mais em se preocupar com o povo do que com piadas. Mas afinal de contas eles nem deveriam se importar porquê realmente eles são uma piada.

  2. Penso que o pensamento de Marcos Mion é o ideal. Por que rebaixar uma pessoa para exaltar a sua graça? Será que Rafinha Bastos e Danilo já assistiram o Chico Anísio fazendo standup na década de 60? Tem no youtube, dêem uma olhadinha. Já assistiram a uma palestra de Ariano Suassuna? Tem youtube. Nenhum deles rebaixa uma pessoa para exaltar a própria graça. Vocês são bons, ninguém duvida disso, mas, pioraram um pouquinho, pois deixaram se perder por este humor carrasco.

  3. as pessoas que se ofendem com as piadas são SUJEITOS no sentido categórico e, portanto , histórico.
    Deixa prá lá…vocês não entenderam!!!

  4. Quero parabenizar pelo exelente programa o qual não perco numca.
    Foi muito boa a reportagem de Arujá sobre o transpote de funcionários no caminhão.
    Em muitas cidades acontece a mesma coisa, principalmente Itaquaquecetuba, município vizinho de Arujá.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s