Ousadia a todo custo: Marcelo Tas comemora o sucesso à frente do CQC

Quando está à frente da bancada do “CQC”, Marcelo Tas se comporta com uma inquietação quase adolescente. Rabisca papéis o tempo inteiro, brinca com os outros apresentadores e, às vezes, chega a atropelá-los para tomar a palavra. Fora dos estúdios, o jornalista de 50 anos conserva o mesmo humor ácido que caracteriza os homens de preto do programa da Band. Mas fala com uma paciência e serenidade que chegam a destoar da mente inquieta que, ao longo dos últimos 27 anos, ocupou uma posição de vanguarda na tevê brasileira.

Seja como o abusado repórter Ernesto Varela do “23ª Hora” em 1983, o categórico Professor Tibúrcio de “Rá-Tim-Bum”, em 1990, ou o atual “cabeça” dos “CQCs”, Tas se empolga com o trabalho realizado para diferentes gerações de telespectadores. “Uma das vantagens de ficar velho é ter uma visão em perspectiva do que você já fez. Minha maior alegria é perceber que todos meus trabalhos têm um caráter pedagógico. Até mesmo essa experiência mais espírito de porco que é o CQC”, analisa, aos risos.

Há três anos no comando do programa da Band, Tas se orgulha de “chacoalhar” o jornalismo e o humor da tevê brasileira com as pautas irreverentes do “CQC”. E é enfático ao apontar a falta de ousadia como o principal problema das demais produções atuais. “A tevê faz uma photoshopização do mundo. Tudo é limpinho, bonitinho, sem nenhuma surpresa. É uma tendência que precisa ser combatida diariamente”, argumenta.


P – O “CQC” é quase uma experiência em larga escala do que você fazia como o repórter Ernesto Varela no início dos anos 80. Mas, na verdade, o programa é baseado em um formato argentino criado na década de 90. Como você encara isso?

R – É uma feliz coincidência. Eu diria que o formato argentino expande o DNA do Varela. O “CQC” tem uma edição muito mais cuidadosa, é exibido ao vivo em rede nacional e dispõe de uma equipe infinitamente maior. Sem contar que apresentar um programa ao vivo durante quase duas horas é algo inédito para mim. No início, o Varela era feito comigo e o Fernando Meirelles, que era o câmera Valdeci. Depois a proposta foi se ampliando com o resto da equipe da produtora Olhar Eletrônico. Mas não instruo os meninos a seguirem meu exemplo com o Varela. Existe um espaço que cada um cobre do seu jeito.

P – O povo brasileiro costuma ser caracterizado pelo bom humor. Foi necessário recorrer a um formato estrangeiro para trazer essa irreverência ao jornalismo?

R – Isso é bastante significativo. O fato de uma emissora comprar formatos é uma maneira de usar algo que deu certo em outro lugar. Mas não é um processo automático. Já tentaram levar o programa para alguns países e não funcionou. Não é como uma franquia de um McDonald’s, que é igual em todo lugar. Você está lidando com o imponderável. O poder reage diferente em cada lugar e não tem receita para criar um humor com a nossa cara. Aí que entra o nosso mérito. Eu acredito na ousadia há muito tempo e venho fazendo isso nos meus trabalhos. Fico feliz com o sucesso do “CQC” no Brasil porque serve como um sinal de que o público aprecia um outro tipo de fazer jornalismo, mais voltado para o humor.

P – Na época da ditadura, você tinha de lidar com a censura nas matérias de política. Ficou mais fácil agora?

R – Vou dizer algo muito grave. Na ditadura, eu tinha mais liberdade do que a gente tem hoje no “CQC” de gravar no Congresso Nacional. É uma vergonha para a democracia brasileira. No Congresso existe atualmente a Polícia do Senado, que agride pessoas e impede o acesso às autoridades. Os políticos, alguns até que lutaram pela democracia, vivem blindados. O Genuíno é um exemplo clássico. Um cara que eu entrevistei muito como o Varela e que não fala com o “CQC” porque é um programa de humor. E o Varela não era de humor? Ele exerce a censura ou a omissão tanto quanto o General Figueiredo, que também não falava com ninguém, mas não era hipócrita de dizer que era democrático.

P – Até que ponto a irreverência não atrapalha a credibilidade do programa?

R – Aqui no Brasil é engraçado porque se coloca o humor como uma espécie de defeito de caráter. É um preconceito absurdo. A gente não está habituado a falar abertamente sobre as coisas. Quando você usa o humor, perde o controle daquele discurso quadrado. Essa é a grande virtude de misturar jornalismo e humor. Se você pega exemplos de democracia como Inglaterra e Estados Unidos, as autoridades se expõem. Até a rainha da Inglaterra permite ser criticada, caricaturada. O Obama fala com as pessoas que fazem ironia com relação ao poder. Eles conseguem se comunicar muito bem com isso, coisa que poucos políticos nossos sabem fazer.

P – Mas ao longo desse tempo questionando autoridades você deve ter esbarrado na censura dentro dos próprios meio de comunicação…

R – Uma coisa que aprendi é que todo projeto tem um limite e eles devem ser conhecidos e conversados antes de mais nada. Uma das chaves do “CQC” é que isso foi muito bem tratado com a Band. Aliás, isso é um aspecto muito pouco creditado. Se nós não tivéssemos o apoio editorial da emissora, não existiria o programa. Não consigo imaginar o “CQC” em outro canal. O programa fala de problemas gravíssimos, colocando em xeque várias instituições. Isso movimenta um nível de poder bastante importante. Lá a gente tem agilidade para resolver esse tipo de pepino.

P – Você já declarou que a tevê atualmente pode ser assistida sem som e disse ser adepto dessa prática. Como fica o “CQC” nessa história?

R – Isso vale para o “CQC” também. Acho que hoje a gente recebe tanta informação que tem de usar filtros. Um deles é esse. Não quero dizer para as pessoas pararem de ver tevê. Mas não acredito que ficar vendo qualquer coisa a qualquer hora faça bem para a saúde. Prefiro que a pessoa tenha um filtro com relação ao “CQC”, que possa criticar e eventualmente até tirar o som, do que ficar assistindo ao programa como se estivesse diante de um abajur. Não quero que veja qualquer assunto ou quadro como se fosse tudo a mesma coisa.

P – Além da experiência com o público adulto e adolescente, você fez sucesso com programas infantis, como “Rá-Tim-Bum” e “Castelo Rá-Tim-Bum”, que é exibido até hoje. A que você credita todo esse tempo no ar?

R – Aposta na qualidade. O “Rá-Tim-Bum” foi um programa que botou a barrinha da escala de qualidade lá no alto. Foi muito difícil. A gente tinha muitos objetivos pedagógicos. Uma pressão grande porque os modelos eram muito arcaicos, como o programa da Xuxa, com aquela baboseira daquelas loirinhas todas, uma imitando a outra. Aí a gente resolveu criar um programa totalmente inusitado, que apostava em conteúdo e era ousado. O prêmio é esse: a memória fica até hoje. As crianças que estão nascendo vêem reprise e gostam. Imagina a reação das crianças que assistem a uma reprise da Xuxa em 1990?

P – Mas o programa chegou a gerar um certo estranhamento na época…

R – Muito! O professor Tibúrcio por pouco não foi “limado” do programa. As críticas eram de que ele poderia deturpar a imagem do professor. Que ele era muito agressivo e poderia causar medo nas crianças, o que de fato aconteceu. Ele foi um dos últimos personagens aprovados no projeto. Até porque eu esqueci de criar um quadro em que eu participasse como ator. Até que o Fernando (Meirelles) chegou e me falou que eu acabaria ficando de fora se não criasse alguma coisa logo. Foi aí que o professor nasceu, aos 45 do segundo tempo.

P – Você gosta de investir em projetos ousados. Na época em que trabalhou na Globo, havia liberdade nesse sentido?

R – Já entrei e saí três vezes da Globo e a maioria dos programas que fiz lá foram muito bem sucedidos porque os limites foram entendidos antes de botar em prática. Com exceção do “Fora do Ar”, que é um programa que profeticamente nunca foi ao ar e que já era uma espécie de “CQC”. Participei do “Video Show” nos anos 80, da criação do “Casseta & Planeta”, do “Programa Legal” e do “Fora do Ar” nos anos 90. Hoje fico muito orgulhoso de ter participado do projeto do “Fora do Ar”, mas confesso que na época fiquei frustrado pelo programa não ser exibido. Fizemos um piloto e decidiu-se que não iria continuar. Peguei meu bonezinho e fui embora. Percebi que não haveria espaço para esse tipo de experiência na Globo, e eu estava lá para fazer isso.

P – Você tem sido inovador na tevê desde a época do Varela. O que o “CQC” representa nesse histórico?

RAcredito que seja uma agulhada na acomodação. Tanto no humor quanto no jornalismo da tevê brasileira. Ele despertou em alguns colegas jornalistas, por exemplo, a vontade de fazer algumas matérias mais atrevidas, de arriscar nos formatos. Ouço isso até de profissionais de outras emissoras. E nos humoristas a mesma coisa. Tenho a alegria de receber o retorno de pessoas que admiro demais. Acredito que a gente dá uma contribuição que não é a revolução final da tevê brasileira, mas que, sem dúvida, é importante.

Múltiplas funções

Apesar de fazer sucesso como apresentador e com os personagens marcantes que viveu na tevê, Marcelo Tas também acumula um currículo rico por trás das câmaras. E ele destaca a experiência de 10 anos como diretor de criação do “Telecurso 2000”, da Globo, como uma das mais importantes que já teve. “Foi o maior projeto de tevê que eu fiz e, sem dúvida, uma das experiências mais felizes da minha vida”, empolga-se o jornalista, que esteve à frente de quase dois mil programas coordenando uma equipe de 14 roteiristas.

Marcelo lamenta que outras iniciativas pedagógicas como o “Telecurso” não tenham vida longa na tevê brasileira. É o caso de “Rá-Tim-Bum”, exibido de 1989 a 1992 na TV Cultura, que teve de passar por uma série de mudanças para continuar na grade da emissora, sendo exibido atualmente como “Castelo Rá-Tim-Bum”. “Foi um formato inventado no Brasil que, a meu ver, burramente a TV Cultura não continuou no modelo original. Nos Estados Unidos, quando você cria algo como Vila Sésamo, fica 30 anos fazendo”, compara.

Paixão pela tevê

O interesse de Marcelo Tas pela tevê começou ainda nos primeiros períodos da faculdade de Engenharia, que ele cursava na USP. Foi nessa época que ele começou a fazer teatro e a trabalhar como editor de um jornal de humor da faculdade. Pouco tempo depois, passou a cursar Jornalismo paralelamente e integrou a equipe da produtora Olhar Eletrônico, com a qual estreou na tevê em 1983. “Me realizei plenamente com a tevê. É um veículo que eu amo e acredito que ainda tenha um potencial grande a ser explorado”, afirma o jornalista, que chegou a se formar em Engenharia.

Ao contrário do cineasta Fernando Meirelles, que vivia o câmera Valdeci nas reportagens do Ernesto Varela, Tas conta que nunca teve pretensões de investir na carreira cinematográfica. “A diferença entre eu, o Fernando Meirelles e o Tonico Mello é que eles sempre fizeram tevê enquanto não viraram cineastas. Não tenho esse sonho e prezo muito a tevê”, destaca.

Trajetória Televisiva
# 23ª Hora (TV Gazeta, 1983) – Repórter Ernesto Varela.
# Crig-Rá (TV Gazeta, 1984) – Apresentador.
# O Mundo no Ar (TV Manchete, 1986) – Repórter Ernesto Varela.
# Video Show (Globo, 1987) – Apresentador.
# Rá-Tim-Bum (TV Cultura, 1989) – Professor Tibúrcio.
# Netos do Amaral (MTV, 1991) – Ator, roteirista e diretor.
# Programa Legal (Globo, 1991) – Roteirista.
# Castelo Rá-Tim-Bum (TV Cultura, 1994) – Telekid.
# Professsor Planeta (ESPN Brasil, 1995) – Ator, diretor e roteirista.
# Telecurso 2000 (Globo, 1998) – Diretor de criação.
# Vitrine (TV Cultura, 1998) – Apresentador e diretor.
# Saca Rolha (Rede 21, 2006) – Apresentador.
# Plantão do Tas (Cartoon Network, 2010) – Apresentador.
# CQC (Band, 2010) – Apresentador.

*Notícia publicada na edição de 19/06/2010 do Jornal Cruzeiro do Sul, na página 1 do caderno Mais TV

Anúncios

Sobre Portal CQC OFICIAL

Seu portal de notícias sobre o CQC!

Publicado em 19/06/2010, em CQC. Adicione o link aos favoritos. 3 Comentários.

  1. adorei a entrevista!!!!!

  2. mary siqueira

    A principio qro parábeniza-los pelo programa de uma forma sofisticada com a junção do ”humor” e do jornalismo critico vcs fazem aquli que muitos brasileiros qrem fazer e não os fazem. Obrigado por colocarem a indignação em brasileiro leigo e dessa forma esses são capazes de forma a sua verdadeira opiniao sobre os falsos anjinhos que rodeiam por aí nos ´´ceus” de Brasília e em outras cidades no Brasilis….Adoro o programa de vcs mas fico triste pq aqui em Portugal nao consigo assiste o programa só assisto os videos na página do programa… A principio a fama de vcs já ultrapassaram o atlântico pois estava assistindo a sport teve dq e o apresentador indico os videos de vcs no you tube:)
    Enfim,tudo de bom e q continue nessa trilha de sucesso com muita coragem… Abraço e um forte abraço dessa fâ não apenas do cqc mais de todos q integram a equipe mais singular Q EXISTE NA TELEVISÃO BRASILEIRA…

  3. sim sim salabim! O marcelo Tas é um “docinho de coco” aosiaosiaosiaosia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s